sábado, 27 de junho de 2015

E DEI-LHE TEMPO PARA QUE SE ARREPENDESSE E NÃO SE ARREPENDEU

O Santo de Israel e Eterno Deus e Pai nosso é o "SENHOR DAS OPORTUNIDADES".


Ninguém pode negar que ELE na sua Onisciência já sabia que Judas Iscariotes seria o traidor, mas deu-lhe UMA OPORTUNIDADE de ser aquele que carregaria a bolsa das ofertas para mantimento do Senhor Jesus Cristo e de seus discípulos no levar o Evangelho a toda a criatura.

Judas, o administrador, TRAIU ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo; conquanto, NÃO SÓ os valores materiais foram furtados, mas o mais importante de tudo foram os VALORES ESPIRITUAIS dilacerados.

Judas teve tempo de se arrepender e não se arrependeu.

O Apóstolo Pedro negou ao Senhor Jesus Cristo por três vezes envidando que não traia só ao Filho, mas ao Pai e ao Espírito Santo.

Pedro SE ARREPENDEU SINCERAMENTE, e chorou amargamente, pois HAVIA NEGADO O SENHOR VIDA que tem também as chaves da morte.

Ele não era ainda convertido, mas se converteu para guiar a seus irmãos a conversão AO DEUS VIVO E VERDADEIRO.

O Senhor Jesus ressurreto, MEDIANTE AO ARREPENDIMENTO AMARGO E SINCERO de Pedro lhe pergunta por três vezes se ele O amava, para restaurar-lhe diante do Pai, do Filho e do Espírito Santo; E PEDRO FOI RESTAURADO.

SE NÃO VIER ANTES O ARREPENDIMENTO SINCERO, não virá o perdão.

Tudo para o nosso Deus TUDO TEM UM TEMPO DETERMINADO POR ELE para que nos ARREPENDAMOS das nossas iniquidades, transgressões e infidelidades.

O Senhor não permite e Jamais permitirá que os VALORES ESPIRITUAIS sejam roubados, pois são eles O MEIO DE TRANSPORTE de AMOR, A ELE E A SUA PALAVRA, e como também AO PRÓXIMO que nos levarão para uma vida eterna no SEU REINO.

Porquanto, é tempo de arrependimento; de lamento e de reflexão:

APOCALIPSE 2:16 Arrepende-te, pois, quando não em breve virei a ti, e contra eles batalharei com a espada da minha boca.  

21 E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu.

          ASSIM DISSE O SENHOR JEOVÁ.



terça-feira, 23 de junho de 2015

UMA OPORTUNIDADE

Figura ilustrativa de um momento de tristeza. Todos os
créditos  sejam dados ao autor da foto.
O vestibulando corre apressado em busca de um sonho o qual se dedicara o ano inteiro estudando para a prova. No dia programado o que o separava do seu alvo era a distância percorrida, o transito e o tempo; no entanto, no transito perdeu-se o tempo, e as portas se fecharam sem reservas.

O choro, a tristeza e a desilusão foram às portas que se abriram para aquele pobre coração.

Os sonhos ruíram como um castelo de cartas impelidos pelos ventos da decepção.

Aquela oportunidade tão esperada, agora jazia perdida como fumaça na estrada da vida, nos descaminhos do coração.

UMA OPORTUNIDADE
Oportunidades são coisas que vem e que vão; a humanidade está a espera delas, mas o que transita nas suas vidas podem fazê-las perder o tempo da ocasião.

Tudo tem um tempo determinado por Deus para a sua consumação.

Quem sabe se naquele dia da confusão nós não tivéssemos perdido a paciência, e por orgulho não pedimos e nem demos o perdão; as coisas pioraram e houve a separação?

Famílias partidas, vidas separadas transitam doridas porque perderam a oportunidade da redenção.

No continente africano muitas vidas esperam a oportunidade de um prato de comida, de um pedaço de pão.

O andarilho quer a oportunidade de uma família; de uma casa, e um aconchego para o seu coração.

A OPORTUNIDADE DE SALVAÇÃO
Só o Senhor Jesus Cristo é a oportunidade de vida eterna para aqueles que estão perdidos, desesperançados, e que estão em desilusão.

Para aqueles que estão aflitos, deprimidos e sem saída para o seu pobre coração.

Ele chama os cansados e oprimidos que venham todos a ELE que os livrará do fardo da depressão.

Porque, só Ele é o caminho, a verdade, e a vida, junto ao Trono com o Pai para nos dar a mão; e dizer: 

"Vinde a mim todos vós que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei".

Não perca a oportunidade do vestibular da vida eterna; não perca a ocasião.


quinta-feira, 11 de junho de 2015

A CRUCIFICAÇÃO GAY - UM ESTOPIM PARA O CAOS?

Foi na cruz, foi na cruz que um dia eu vi meus pecados castigados em Jesus; prescreve o hino 15 da Harpa Cristã.

No mundo antigo, a cruz sempre foi motivo de escárnio, sofrimento e dor.

Nela eram vituperados os malfeitores como exemplos vivos de que a sua transgressão a olhos visto não era para ser seguida, pois a sua condenação era a morte.

A mensagem da cruz deixada pelo Senhor Jesus Cristo foi uma mensagem de MISERICÓRDIA, de AMOR e DE PERDÃO, pois disse: "PAI, PERDOAI PORQUE ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM."

Mesmo não sendo transgressor, morreu por nós pecadores para nos redimir e nos aproximar do Pai, pois como UMA OVELHA MUDA FOI PARA O MATADOURO.

A cruz é um INSTRUMENTO DE MARTÍRIO, de TRISTEZA, SOFRIMENTO e de DOR, mas a  "SUA MENSAGEM É DE PERDÃO."

A CRUCIFICAÇÃO DA PARADA GAY - UM ESTOPIM PARA O CAOS

Ninguém pode negar pela historiologia secular que grandes distúrbios sociais, onde uma parte da população foi oprimida, deu-se pelo acendimento de um rastilho de pólvora que com o tempo os levou a explosão de grandes conflitos.

A afronta ao afrontado nos lembra de que alguém quer a guerra, mas se o afrontado conscientemente a evitar, os ânimos serão acalmados. Porquanto, na realidade quem foi primeiramente afrontado foi o Pai, o Filho e o Espírito Santo; e nós pertencendo a Ele sentimos a afronta também, mas não cabe a nós dar enfase a guerra.

No seu tempo dará o Senhor a paga a cada um de nós, pois o que se planta, daquilo é que se colhe.

Entretanto, nós como verdadeiros cristãos devemos desarmarmos as minas;  ter a misericórdia por estas almas que ainda são passiveis de salvação; porque: "Onde abundou o pecado, superabundou a graça divina".

Sabemos que muitos não gostarão e nem apoiarão estes escritos, pois nem o Senhor Jesus Cristo agradou a seus irmãos; mas, quem tem a misericórdia alcançará o perdão.

Quanto mais divulgamos o fato, mais promovemos ele; e com isso estamos colocando lenha na fogueira, nos promovendo com o triste episódio, e promovendo o que não devemos promover.

Que o Senhor na sua grande misericórdia, amor, benignidade e compaixão possa dar a cada um de nós o devido entendimento.

Amém.



segunda-feira, 8 de junho de 2015

AS MARCAS DA CRUZ E O SANGUE NA ARENA

As marcas deixadas pela estrada da vida contam uma história em que as suas cicatrizes sobrevivem aos anos como lembranças de um passado que não quer calar.

O Senhor Jesus Cristo escreveu a sua história nos anais da vida, as quais superam os anos e são lembradas de geração em geração.

A sua história, o seu sofrimento foi de amor, de misericórdia e de perdão.

Mesmo sendo Deus, não se comportou como se fosse; mas, como se renegasse ao Trono de Sua Glória, sofreu como cada um de seus irmãos, os quais seriam comprados com Seu Sangue Derramado na cruz do Calvário.

O Seu Espírito, a Sua Alma e o seu Corpo testemunharam o cume do vitupério, em um sacrifício vicário, com amor e devoção.

As marcas da cruz atravessaram os séculos na vida de cada um dos cristãos.

Estes não negaram o Seu Nome, sofreram e morreram com a esperança da salvação.


Quem quisesse vir após ELE, teria que negar a si mesmo, tomar a sua cruz para segui-lo.

Guardariam a Sua Palavra; não trocariam a sua herança, o seu sofrimento por um prato de lentilha.

Guardariam às marcas da cruz, a sua identidade, na busca da santidade como passaporte para eternidade.

CONCLUINDO:
Nós como cristãos, em todo o mundo, estamos encobrindo às marcas da cruz, negando a nossa identidade; trocando a nossa herança por um prato de lentilha, perdendo o passaporte para eternidade.

Estamos sucumbindo a ideologias humanas nos deleites carne; no brilho do mundo, dando enfase a sensualidade.

Estamos tirando o olhar de Jesus e afundando no mar da carnalidade.

A unção está renegada, a sabedoria exaltada, e a humildade segregada; o altar profanado, e as vaidades aumentadas.

No entanto, enquanto tiver remanescentes, haverá esperança e uma confiança nos joelhos que se dobram, nos sacrifícios dos jejuns, para que o Senhor que ao meio dos anos avive a Sua obra; que na Sua ira lembre-se da misericórdia.

Cada um de nós, como Templos do Senhor, temos o sagrado direito de pregar um Evangelho de Salvação; de negação a nós mesmos; de combate ao pecado, de consagrar-nos a Deus, na busca da santificação.

Muito embora sejamos vozes que ecoam no deserto, o arrependimento tem QUE ser pregado; porque o machado já está a raiz, e assim é o que o nosso Amado Mestre Jesus nos tem mandado.

Que o Senhor possa dar o entendimento a cada um de nós, que não temos que seguir o modelo do mundo e da sua condenação, mas de uma vida separada NA ESPERA DO SENHOR, DO ARREBATAMENTO E DA GLORIFICAÇÃO.

É preciso ter coragem para pregar a mensagem da cruz e não negar o Evangelho do  Senhor Jesus Cristo.

Amém.