terça-feira, 27 de novembro de 2012

OS BASTIDORES DO JULGAMENTO DO SENHOR JESUS CRISTO



Sob os aspectos jurídico, religioso e moral, o julgamento de Jesus foi uma bazófia. Segundo o historiador judeu Flávio Josefo, havia interesse político em relação ao Império Romano. Pretendia-se a manutenção de privilégios para a classe sacerdotal dominante. Saduceus pretendiam a manutenção do "status quo". O Grande Conselho - Sinédrio, em grego assembléia e "sanhedin", em hebraico - à época do julgamento de Jesus, era representado por três grupos:

a) representantes da aristocracia sacerdotal, com mentalidade saducéia, eram os sumos sacerdotes do Templo;

b) representantes de famílias leigas influentes;

c) grupo dos fariseus, os que influenciavam nas decisões.

O Sinédrio foi criado na época dos persas. O Talmude impunha uma Corte, chamada Setenta e Um. Essa corte se reunia através de sessões públicas, com exceção do sábado e nos dias de festa.

O Sinédrio tinha autoridade para assuntos profanos e religiosos. A condenação à morte exigia o voto favorável de 23 juízes. Se 22 absolvessem e houvesse a abstenção de um, seria necessário ampliar o número de juízes. O Conselho não poderia conduzir um processo capital, sem autorização de Roma. Em João 18.31, assevera-se a lei, em que "não nos é permitido condenar ninguém à morte".

Portanto, essa situação jurídica à época do julgamento de Jesus estava em vigor. O Grande Conselho não encontrou prova objetiva para condenar Jesus à morte. As testemunhas se contradisseram. Pela imperfeição da prova material e testemunhal, indagaram se o acusado era um Messias, o filho do Deus Bendito. Com a resposta afirmativa, o sumo sacerdote iniciou o espetáculo. Rasgou a túnica e Jesus foi julgado como réu de morte, apesar das testemunhas falsas. Em Salmo 22, estava escrito: "pois contra mim levantaram-se testemunhas falsas e gente que respira violência". Em Isaías 53.7, já se lia o presságio da lamentável tragédia.

Anás é o pivô da trama. Sumo sacerdote desde o ano VI d.C., era um experiente estrategista. Rico, nomeou cinco filhos como sumos sacerdotes. Em diversos "departamentos" do templo, nomeou outros parentes. É provável que recebesse comissão e sobretaxa dos cambistas sobre venda de animais para o sacrifício.

Caifás era sacerdote dependente. Tanto que Jesus foi levado à presença de Anás, primeiramente. Anás era presidente de honra do Conselho. Anás mandou Jesus de volta a Caifás, sumo sacerdote desde o ano 18 d.C. Jesus representava a ameaça ao poder de Caifás e ameaça à instituição política do Estado judaico. Jesus colocara o homem acima da Lei e do Sinédrio.

Nesse contexto, há duas contradições. A primeira é a de que um sacerdote saduceu radical jamais poderia indagar acerca do conteúdo de um dogma central da fé cristão. Quando se pergunta: "És Filho de Deus Bendito?", ao responder que sim, pelos paradigmas dos dogmas cristãos, Jesus não havia cometido blasfêmia alguma. Mas como o processo já estava direcionado, o Sinédrio proferiu sentença. A sentença foi extraída de uma sessão secreta imediata, quando o Sinédrio só poderia condenar no segundo dia.

A segunda contradição é a de que os textos antigos indicam que o processo aconteceu à noite. Foi uma reunião "extraordinária", porque estavam próximas as comemorações da Páscoa. As reuniões oficiais só poderiam ser realizadas durante o dia. Houve mesmo uma exceção de incompetência!

O Sinédrio manda Jesus a Herodes. Depois, manda para Pilatos. Esse conferiu um caráter político ao interrogatório, o que o tornaria simpático aos interesses de Roma e ao imperador Tibério. Segue-se a clássica pergunta, com um teor político de poder-Estado de Roma: "És o rei dos judeus?"
Diante da resposta afirmativa e, depois de um melodramático espetáculo, autoriza o sacrifício de cruz: "Ibis in crucem".

O julgamento diante de Pilatos foi também uma farsa. Os crimes de alta traição eram regulados pela "Lex Julia majestatis". Segundo a tradição, essa lei previa que os crimes de lesa-majestade deveriam ser julgados pelo Tribunal Romano. Não foi convocado Tribunal algum.

Pelo nosso Código Penal e sua processualística, o julgamento ordenado pelo Sinédrio seria anulado. No Sinédrio, procedimentos processuais ocorreram à noite. E a lei proibia sessões noturnas. A sentença de Pilatos guarda os ranços subjetivos. Estava preocupado com as relações políticas em Roma e tinha medo do poder exercido pelos sacerdotes judaicos. Nula seria a sentença porque só um Tribunal de Roma poderia decidir.

Quanto às provas, eram frágeis e incongruentes. Principalmente em relação às testemunhas. Por analogia e prismas do art. 386, incisos IV e VI, do Código de Processo Penal brasileiro, Jesus seria absolvido. Pelos ensinamentos talmúdicos, também.

Demonstramos, assim, que o julgamento de Jesus tem ingredientes de política "interna corporis" da instituição saducéia dos fariseus legalistas. Não observam nem mesmo a ordem Iegal existente - Justiça Institucional.

Outros subsídios podem ser encontrados em "A Sentença de Pilatos", obra de Kurt A. Speidel, pesquisador alemão traduzido. Baseado nas informações da época, nos textos evangélicos e na história tecida pelo escritor judeu Flávio Josefo, Speidel esgota ensinamentos, comparando o legalismo e o drama da paixão.

A questão central sobre este julgamento, assim como o preconceito de Caifás, reside em Mateus 26.3; Lucas 3.2; Mateus 26.57-65; João 11.49-53.

sábado, 24 de novembro de 2012

ENQUETE: ESTUDO BÍBLICO SOBRE A PERMISSÃO DIVINA OU NÃO DE ARRECADAS (BRINCOS)

Devido ás muitas dúvidas, fizemos um estudo Bíblico de Gênesis a Apocalipse sobre  uso de brincos pelo povo evangélico , assim como foi feito no caso do corte de cabelo (em breve no devido post novas provas sobre o assunto), o qual foi irrevogavelmente comprovado as suas razões não só pelo estudo bíblico, mas também pelo GRANDE JEOVÁ em revelações proféticas utilizando muitos vasos seus nesta última hora da igreja de Cristo (sem nome de placas) sobre a terra.

Nesta enquete, dependendo do resultado, apresentaremos o material com os seus links de origem para não fique nenhuma dúvida da lisura da resposta.

Participem por seis dias desta enquete neste blog. Queremos saber as vossas opiniões.

O estudo sobre brincos já saiu e está no link abaixo:

http://luisdornelesdeoliveira.blogspot.com.br/2012/12/os-brincos-sao-chamados-de-deuses.html

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

UMA ESTRADA PARA O ALÉM DA VIDA


Quem não lembra na sua juventude das frases de efeito escritas em singelos bilhetes, enviadas as paixões de época? - Frases como esta: "Se viver é amar, vivo porque te amo", a qual certa vez inspirado como se fosse um grande poeta a completei com: "E viverei além da vida, pois te amo além do amor".

As paixões infanto juvenil se foram, mas a frase atravessou as décadas e hoje vem aportar neste post como um réquiem de um passado, o qual hoje é bem presente:

Se estou vivo, é porque Deus amou-me primeiro, e viverei além da vida terrena pois "O" amo além do amor.  Só o amor verdadeiro a Deus pode exceder ao mundo físico\material e adentrar as mansões celestiais pelo mundo espiritual em vida eterna, como bem versa nas palavras do Senhor Jesus Cristo:

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna."  (João 3 : 16).


AQUELA MERA FRASE EM QUESTÃO: "Se viver é amar, vivo porque te amo. E viverei além da vida, pois te amo além do amor", de uma certa forma naqueles dias, prefaciava entre linhas o plano divino da salvação com o nosso adendo,  sem que soubéssemos.

O amor divino excede o entendimento humano e se transforma em uma promessa de vida eterna com o Senhor Jesus Cristo, bastando que só Nele creia com o amor de todo o nosso coração.

A excelência do amor a Deus e ao nosso próximo projetou-se como se fosse em um outdoor numa estrada imaginária entre ás nações unindo a terra com os céus, assim delineadas em I Coríntios 13:


1  AINDA que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
2  E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3  E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4  O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
5  Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6  Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
7  Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8 O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
9  Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
10  Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
11  Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
12  Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

13  Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.


A DIREÇÃO A QUEM DEVEMOS AMAR:
36  Mestre, qual é o grande mandamento na lei?
37  E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.
38  Este é o primeiro e grande mandamento.

39  E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
40  Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas (Mateus 22).

Das memórias do passado, trouxemos neste simples artigo (post) algo para meditarmos sobre o quanto estamos verdadeiramente amando a Deus e ao nosso próximo, no intento de alertar o nosso querido leitor sobre a excelsa importância do amor para nossas vidas eternas com o Senhor Jesus Cristo.

Que o Soberano Deus Pai vos abençoe e guarde no Filho amado em vida eterna.  



quinta-feira, 22 de novembro de 2012

REBELDIA É COMO O PECADO DE FEITIÇARIA?

O jeitinho do tudo dá-se um jeito, acomoda-se ao meu e a muitos outros gostos, independente de quem estamos boicotando para que as nossas benesses possam satisfazer o nosso consumismo. As coisas transcendem ao livre-arbítrio dos limites da razão, excedendo os meus direitos, diminuindo os meus deveres. 

Quando, com as minhas atitudes rebeldes a razão das coisas burlam os fundamentos já pré-ditos, e passo a contribuir com a rebeldia alheia, ultrapasso a minha condenação e sou co-autor da condenação de outrens.

A liberdade tem os seus limites orientados pelas suas constituintes, sejam elas civis, militares ou eclesiásticas.  Passando disso, a libertinagem já versa e tergiversa.

Assim como existe o livro de códigos de leis civis e militares, assim também existe o  Livro dos códigos das Leis Divinas. Por mais velhas que sejam, quem ás transgredi-las estará sujeito as condenações nelas descritas. Isto o é inegociável em nome da justiça, da razão e da igualdade.

O dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus (Mateus 22:21) professado pelo Senhor Jesus Cristo, coloca, separa e dá a razão ao que é do governo do homem, daquilo que que é do governo Divino. Isto é: há que se cumprir aquilo em que ás suas devidas leis proferem.

AS DESOBEDIÊNCIAS ÀS LEIS DIVINAS INCORRE A:
As equivalências funestas aos atos desobediência já estão codificadas no Santo Livro das Leis Divinas, com exemplos condignos e semelhanças, como podemos bem ver na desobediência caracterizada como rebeldia de Saul, rei de Israel, condenada por Deus pela boca do Profeta Samuel: 

"Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como iniquidade e idolatria. Porquanto tu rejeitaste a palavra do SENHOR, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei."  (I Samuel 15 : 23)

A RENOVAÇÃO DOS VOTOS:
Se já nascemos do novo, no Senhor Jesus Cristo? nova criatura somos (Col. 3).  Porquanto devemos atentar para uma tão grande salvação entrando em obediência nas coisas que são de Deus; porque, senão:

"Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;"  (Hebreus 2 : 3)


"Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo,"
(Tito 3:5)

Que Deus nos ajude a não transgredir às suas leis; e nem levar a outros a transgredi-las também, para que pela fé possamos alcançar o alvo que é o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.



quarta-feira, 21 de novembro de 2012

PORQUE POR MIM E PARA MIM SÃO TODAS AS COISAS

Vivemos em um mundo do individualismo proeminente onde as coisas são disputadas palmo a palmo em um busca desenfreada do ter para ser.

Desde o nascedouro já há uma disputa do melhor bebê; do melhor peso; do mais bonito; do mais inteligente e dai em diante o melhor aluno, o mais dinâmico, do campeão, etc...

A propaganda oferece os melhores carros, aviões, motos e assemelhados; o vestuário, os cosméticos, alimentações e afins. O mundo gira em torno dos desejos que alimentam o ego do ter a qualidade para ser a personagem.

A vitrine do ego propaga que por mim e para mim são todas as coisas, no tudo está ao meu alcance do ser eu e não nós somos.

O individualismo entra em litigio com o coletivismo gerando o desamor ao próximo. Os valores físicos/materiais excedem os sentimentais/espirituais, onde eu amo a mim mesmo e o resto é o resto.

OS SINTOMAS "ÚLTIMOS DIAS" PREVISTOS PELA BÍBLIA SAGRADA:
"Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,"  (II Timóteo 3 : 2).

O amor desproporcional a si próprio gera a egocentricidade, e com ela a iniquidade. Com isso colateralmente o produto disto tudo é o desamor ao próximo:

Disse Jesus Cristo: "E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará."  (Mateus 24 : 12).

A perda da sensibilidade de amar ao próximo está arraigada na individualidade, onde não se sentirá pena, dó, compaixão pelo necessitado, pois estará firmada no amor a si mesma, amante de si mesmo; vaidoso (a).

A RECIPROCIDADE PARA A COLETIVIDADE
Só o amor ao próximo gera comunidade, coletividade, pacificidade e reciprocidade. Fora disso é individualidade, e isto por sua vez nos condena a estar fora da eternidade com o Senhor Jesus Cristo, PORQUE:

"Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém."  (Romanos 11 : 36)

"Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis."  (João 13 : 34)

Quem ama a seu próximo, a Deus também ama.

sábado, 10 de novembro de 2012

PROGRAMA "É HORA DE DESPERTAR" COM HORÁRIO MAIOR

Noticiamos aos nossos ouvintes que: A partir do dia 10\11\2012, ás 14:00 Hs, o programa Evangélico "É HORA DE DESPERTAR" foi agraciado por Deus com mais 00,30 Hs. Sendo que a terceira parte contratada será apresentada por irmãos e irmãs que estão se entregando de coração na busca de almas para o Senhor Jesus Cristo. Não deixe de ouvir-nos, pois certamente Deus terá uma palavra para o seu coração até ás 15:30 Hs neste programa.

ESCALADOS
A primeira e segunda parte das 14:00 ás 15:00 Hs do próximo sábado . estará a cargo do irmão:

TEMA
O Tema da primeira parte do programa a ser pregado constará de uma surpresa aos rádio ouvintes:

A terceira parte (a nova) estará a cargo dos irmãos Lucas Becker e Elias Gonçalves

COLABORADORES CULTURAIS
Aproveitando a oportunidade, queremos solicitar de coração aos irmãos que nos ouvem e que queiram nos ajudar a pregar o EVANGELHO DO SENHOR JESUS CRISTO colaborando conosco como apoiadores culturais, o serão bem vindos, pois necessitamos desta ajuda. A obra não é nossa e nem para o engrandecimento de nosso nome, mas SIM, DAQUELE QUE REINA E VIVE PARA TODO O SEMPRE.

Os que já colaboram conosco:
-Iria e Jetter Danzer de Souza
-João Leonel França
-João e Graziela Ghesla
-Jorge e Ana Isabel
-Jefferson e Cibele Lima
-Marcos Oliveira
-Luis Oliveira
-Acácio Joalheiro e esposa Rosane
-João Roni e Flávia da Banca 18 3426 2920
-Nunes Construções e Reformas 96707969

Contate-nos, emita a sua opinião; nos ajude, pois certamente isto será apenas o começo de grandes coisas que o Senhor fará para SUA HONRA E GLÓRIA.

Contatos: 55 99646351 e 55 3421 3688

Que Deus vos abençoe e guarde junto aos demais familiares por toda ás vossas vidas.


quarta-feira, 7 de novembro de 2012

PRÓXIMO POST EM EDIÇÃO: O PRÍNCIPE DA PAZ.

Do Seu trono fluirão Rios de Águas Vivas. No Seu reino andarão juntos o Leão e o Cordeiro. 

A morte perderá o seu aguilhão. A dor perderá o seu gemido e só o júbilo e a alegria será sentida.   A vida o será para todo o sempre.

Aguardem nas próximas horas.

 

terça-feira, 6 de novembro de 2012

DESTRONANDO JEZABEL

Grandes reis tiveram a seu lado grandes mulheres. A história de Ester livrando o povo israelita da mortandade permeia o Escriturado Bíblico registrando um dos mais lindos exemplos de fé e de coragem no reinado de Assuero, o grande Rei  da Pérsia.

Não fica para trás também o desprendimento da grande juíza Débora, que há seu tempo julgara o povo de Israel com maestria e mão de ferro.

A história de Ana, a mãe do grande Profeta Samuel nos encanta, apruma e nos guia. Enfim, são tantas as grandes mulheres que ornaram E ORNAM às suas vidas na lealdade, humildade, fibra e coragem como: Noemi; Maria, a mãe do Senhor Jesus Cristo; Maria de Magdala; Maria e Marta, às irmãs de Lázaro; (...), e por fim o Livro de Provérbios em um belo poema bíblico descreve às indubitáveis características de uma excepcional mulher virtuosa. Contemporaneamente aprove-nos também lembrar-nos de Madre Tereza de Calcutá.

Nos anais do tempo até nossos dias, registram os feitos de grandes mulheres não só no meio bíblico, mas também no meio secular. Porquanto, homenageando a todas às mulheres deixamos o nosso carinho, o nosso respeito e o nosso sincero reconhecimento, pois sem elas não haveriam famílias, filhos e até mesmo igrejas.

Portanto, o que iremos descrever, assim como fui inspirado para que o fizesse, em nada tem alguém como alvo já deliberadamente determinado, mas, para mostrar o outro lado da moeda assim também como há no lado masculino.

DESTRONANDO JEZABEL é um post o qual nos veio intempestivamente, pois há minutos atrás escrevêramos "A GLÓRIA DO SEGUNDO TEMPLO", já exposto neste blog, e encaminhava-me para a leitura bíblica e o posterior repouso, no entanto, a inspiração divina levou-me a assim o descrever:

Acreditamos que a grande maioria dos leitores já conhecem a história de Jezabel e do rei Acabe, onde seu triste registro vem a testemunhar um dos mais negros episódios bíblico. A influência maligna, vaidosa e inescrupulosa desta pérfida rainha das trevas envergonham a alguns até os dias de hoje na nação israelita, pois o foi através dela que o reino do norte veio a cometer um dos maiores sacrilégios, que é a idolatria, e com isso a posterior punição divina e queda deste reino.

JEZABEL, influenciou de tal maneira a seu marido o rei Acabe, que ele acabou por desobedecer a Deus e por isso provocou a maior derrocada de um povo. Jezabel ditou normas, instituiu a idolatria, adonou-se de vinhas e perseguiu profetas.

Nos dias de hoje não o é diferente, pois "HÁ MUITO ESPÍRITO" de Jezabel pelo mundo, influenciando a vaidade, a idolatria,  derrubando homens de Deus, suas congregações e até perseguindo servos do Altíssimo os quais prezam pelos santos mandamentos do Senhor Jesus Cristo.

Se olharmos para história contemporânea veremos "QUE ESTE ESPÍRITO" usa às coisas da carne como predominância, contrapondo ás coisas do  Espírito de Deus. Que ele age nas sutilezas das palavras produzindo o engano. A sua pérfida ação é como "um pouquinho só não faz mal", no que um só pouquinho de fermento, levedou toda a massa, pois serviu de exemplo e derrubou todo um trabalho arduamente realizado ás vezes por dezenas de anos.

"O ESPÍRITO" DE JEZABEL em estando no poder, cria tropeços para o povo escolhido assim como o profeta Balaão o fez, desviando o povo de Deus pelas concupiscências da carne, decretando-os não só a morte física, mas também A MORTE ESPIRITUAL, que é a morte condenatória e jamais desejada. 

"O ESPÍRITO" DE JEZABEL urge em querer a vinha de outros para dar aos seus, nem que precise levantar falsos testemunhos em sórdidas tramas, e com isso inocentemente os Nabotes das vinhas são sacrificados.

Jezabel, na sua vaidade foi derrubada do seu trono e acabou morrendo, sendo comida pelos cachorros. Que nestes dias "ESTE ESPÍRITO MALIGNO" através do jejum e da oração possa ser combatido nos ares com tenacidade e perseverança, pois a NOSSA LUTA NÃO É CONTRA O SANGUE E NEM CONTRA ÁS PESSOAS, mas sim contra às potestades do mal que ás influencia, onde muitas sem se dar conta deste espírito, que vem para dividir, para ensinar a desobedecer a Deus e derrubar ministérios.

Que "ESTE ESPÍRITO MALIGNO" seja destronado pelo poder Divino aonde ele estiver atuando PARA QUE A UNIÃO do povo santo possa enfim ser praticada conforme às leis de Deus. 

Que nós possamos ajudar uns aos outros a entenderem que não só de pão viverá o homem, mas DE TODA A PALAVRA QUE SAI DA BOCA DE DEUS.

Assim o recebemos, e assim o escrevemos.




A GLÓRIA DO SEGUNDO TEMPLO

Jerusalém fora destruída, o templo jazia em ruínas e o povo fora cativo para Babilônia por setenta longos anos como predicara o Profeta Jeremias. O quadro apresentado era desesperador e a desolação estava estabelecida.

Naqueles dias que antecederam a catástrofe, a  SHEKNAH DO SENHOR (presença no hebraico) tinha se ido e com ela a sua KAVOD (glória no hebraico) nas asas de um Querubim, abandonando o templo.

A Arca da Aliança, segundo a tradição fora habilmente e sem vestígios escondida pelo profeta Jeremias; não restando nada a que O POVO DEIXADO PARA TRÁS pudesse lembrar da gentil presença Divina.

Porquanto, naqueles dias a mão do Todo Poderoso fora cruel, no entanto justa. De nada adiantara tantos avisos proferidos pelos santos profetas do Altíssimo; no entanto, ainda HAVIA UMA ESPERANÇA, pois o Senhor muito embora tivesse executado o seu juízo, PROMETERA UM DIA RESTAURAR O POVO DA SUA ALIANÇA.

Nos dias de hoje, não o é diferente, pois quando a Sua SHEKNAH, junto com a Sua KAVOD são só saudosas lembranças; no entanto, AINDA NOS RESTA UMA ESPERANÇA de uma nova oportunidade na GLÓRIA DO SEGUNDO TEMPLO.

Nestes dias os fundamentos do segundo templo serão reeditados na  HUMILDADE de um CORAÇÃO PURO e SEM VAIDADE; NÁS GRAÇAS DO SENHOR JESUS CRISTO DE NAZARÉ, O SENHOR DA NOVA ALIANÇA.

PORQUE, NÓS É QUE SOMOS O TEMPLO DO DEUS VIVO E VERDADEIRO; porquanto, busquemos agora nestes dias que antecedem a volta do Filho do Homem, e sem perda de tempo, reconstruir o templo de nossas vidas de acordo com a soberana vontade do Altíssimo. 

"Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?"  (I Coríntios 3 : 16).

"Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo."  (I Coríntios 3 : 17).

Não devemos destruir o Templo do Espírito que somos nós mesmos com vaidades que não agradam a Deus para que Ele não destrua a nós mesmos.

Que a glória (KAVOD) do Senhor, no segundo templo (nossos corpos, alma e espirito) possa ser retida com a presença (SHEKNAH) do Altíssimo, em uma nova aliança com o Senhor Jesus Cristo.

Que uma nova aurora de um novo dia, nos ajude a entender que o brilho deste mundo é fugaz e passageiro. Que possamos verdadeiramente dizer: "NÃO VIVO MAIS EU, MAS CRISTO VIVE EM MIM", na beleza de Sua Santidade; no esplendor do seu reino e na honra de Sua glória.


Que verdadeiramente em nossos rostos o que possa resplandecer é o brilho do Espírito Santo atestando que ELE está presente em nossas vidas.

QUE A GLÓRIA DO SEGUNDO TEMPLO SEJA EM TUDO MAIOR QUE A DO PRIMEIRO.

Que Deus no Senhor Jesus Cristo abençoe a todos vós.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O OUTRO LADO DA MEIA NOITE

Lembro-me quando havidamente consegui o meu exemplar de uma obra literária de Sidney Sheldon: "O Outro Lado da Meia Noite", muito comentada naqueles dias. Do que li, não lembro mais; no entanto, o título ficou em memória e hoje em vista de tantas coisas obscuras que permeiam o nosso dia a dia, aprove-nos usá-lo como chamativo para uma pequena reflexão.

Quantas vezes não ouvimos adágios populares que: "Nem tudo que reluz é ouro", e "Nem tudo o balança cai"; às coisas muitas vezes não são o que parecem ser, porque há nelas UM OUTRO LADO "NA" MEIA NOITE o qual não imaginamos. O visível apenas é um pequeno espectro daquilo que está invisível. As segundas intenções são as que estão em evidência.

Vivemos no mundo da sublimação aonde o mensageiro oculto é o sábio artífice na manipulação de massas. Nós é que somos a massa de manobra; nós é que somos o produto da vitrine. Quando vamos nos dar conta do estrago que está sendo feito, não sei! Só sei que enquanto isso, estamos vendo; estamos votando; estamos usando; estamos comprando.

As virtudes familiares foram desvirtuadas pelas sublimações dos mensageiros ocultos em imoralidades; porquanto, hoje há multiplicidade de filhos sem pais, pois a educação moral e cívica que deveria vir dos devidos órgãos, são eles que mais a denigrem. Hoje, a matéria Moral e Cívica dos direitos e deveres está empoeirada em velhos livros nas bibliotecas do passado.

O lucro da permissividade subliminar enriquece o mensageiro oculto no mercado da moda e outros; expondo corpos como laranjas de amostra;  aguçando a sensualidade, os desejos, despertando a iniquidade dos olhos.

No entanto, todo o supracitado pode estar invisível aos olhos do homem, mas aos olhos de Deus não o está:

"Porque nada há encoberto que não haja de ser manifesto; e nada se faz para ficar oculto, mas para ser descoberto."  (Marcos 4 : 22)

Aquilo que plantamos, daquilo é que iremos colher; pois quem planta o vento, só pode colher tempestades; quem planta o amor só pode colher as bonanças advindas da sua semente.

"Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?"  (Marcos 8 : 36)

"Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras."  (Mateus 16 : 27).

Que com essa pequena meditação possamos nos ater mais aos valores divinos e não sejamos mais induzidos ao erro, na sublimação dos encantos passageiros, onde o prazer é pequeno, mas a dívida o será para toda a eternidade sem Deus.

Assim me veio, assim o escrevi.